Mosteiro dos Jerónimos

Um incontestável lugar de sonho é este mosteiro listado pela UNESCO. O mosteiro é um lugar de pura fantasia, uma fusão da visão criativa de Diogo de Boitaca e a especiaria de Manuel I. A construção do Mosteiro dos Jerónimos começou no dia 06 de Janeiro de 1501 e foi concluída no final do século XVI e foi encomendado pelo rei para festejar a descoberta de uma rota marítima para a Índia pelo Vasco de Gama em 1498.

A localização do mosteiro escolhida deveu-se por ser onde se encontrava a Ermida do Restelo, igreja onde Vasco da Gama e sua tripulação passaram tempo rezando antes de iniciar a sua viagem.

Forjado para a glória de Deus, os Jerónimos já foram povoados por monges da Ordem de São Jerónimo, cujo trabalho espiritual durante quatro séculos foi para consolar marinheiros e rezar pela alma do rei. Quando a ordem foi dissolvida em 1833, o mosteiro foi usado como escola e orfanato até cerca de 1940.

A IGREJA

Entrando na igreja através do portal ocidental, você notará colunas de troncos de árvores que parecem crescer no tecto, que é em si uma telha de aranha de pedra. As janelas lançam uma suave luz dourada sobre a igreja. A super-estrela, o Vasco da Gama, está enterrado na capela inferior, apenas à esquerda da entrada, em frente ao venerado poeta do século XVI, Luís Vaz de Camões. Do coro superior, há uma visão soberba da igreja. As filas de assentos são as primeiras tiras de madeira renascentistas de Portugal.

O Claustro

Não há nada como o momento em que você entra nos claustros manuelinos de pedra de mel, cheios de detalhes orgânicos nos seus arcos delicadamente escalonados, torres de torção e torres interligadas com folhas, videiras e nós.Mantenha-se atento aos símbolos da época, como a esfera armilar e a cruz da Ordem Militar, além das gárgulas e fantásticas feras na balaustrada superior.

No claustro você pode visitar a igreja desde a sua parte superior e o túmulo de Fernando Pessoa. Há também uma sala dedicada à evolução do mosteiro, comparando-o com a história de Portugal e do mundo.

Se você planeia visitar o mosteiro e a Torre de Belém, pode poupar um pouco comprando um ingresso de 12€ válido para ambos, ou 16€ incluindo o Museu Nacional de Arqueologia.

Palácio Nacional de Sintra

Uma das estrela da vila de Sintra é este palácio, com as suas chaminés gémeas icónicas e interior luxuoso. O interior caprichoso é uma mistura de estilos árabe e manuelino, com pátios arabescos, colunas de cevada e azulejos geométricos dos séculos XV e XVI, que figuram entre os mais antigos de Portugal.

Também é conhecido como Palácio da Vila, foi uma residência real até o estabelecimento da República, quando se tornou usado como um edifício público para fins culturais.

De origem mourisca, o palácio foi primeiramente ampliado por Dom Dinis (1261-1325), sendo depois ainda mais expandido por João I no século XV (quando as cozinhas foram construídas). Finalmente, recebeu um toque manuelino por Manuel I no século seguinte.

As suas paredes são cobertas por alguns dos mais antigos e mais bem preservados azulejos portugueses. Dentro, podemos distinguir várias áreas distintas.

Áreas importantes

Destaques incluem a octogonal Sala dos Cisnes, adornada com 27 cisnes de colarinho dourado; E a Sala das Pegas, com o seu tecto adornado de pegas. Sabe-se que a rainha pegou o João a beijar uma das suas damas de honra. O rei insolente afirmou que os beijos eram inocentes e todos ‘pelo bem’. Porém, começou a ser gozado pelas damas do palácio e como vingança decidiu dedicar este quarto.

Outro destaque são a Sala dos Brasões de madeira, com os escudos de 72 famílias líderes do século XVI, a sala de Galleon e a capela palatina com piso de mosaico islâmico. Finalmente, você alcança a cozinha restaurada com as famosas chaminés gémeas, onde as presas de D. João I eram cozinhadas, o rei gostava muito da caça.

Em 1755 foram realizadas grandes obras de restauro para paliar os danos causados pelo terramoto de Lisboa, e a asa que vai desde o pátio Jardim da Preta ao pátio dos Tanquinhos foi construída. Em 1863 teve lugar uma nova campanha de decoração. O palácio foi declarada um monumento nacional em 1910.

Pode-se facilmente encontrar o Palácio Nacional de Sintra, no centro da vila. Além disso, se você visitar em um domingo antes das 14:00, a entrada é gratuita.